novembro 06, 2012

por Danielli Guirado

Resenha: A Culpa é das Estrelas {John Green}


Autor: John Green,
Editora: Intrinseca 
Páginas: 288
Tradutor: Renata Pettengill

Hazel é uma paciente terminal. Ainda que, por um milagre da medicina, seu tumor tenha encolhido bastante — o que lhe dá a promessa de viver mais alguns anos —, o último capítulo de sua história foi escrito no momento do diagnóstico. Mas em todo bom enredo há uma reviravolta, e a de Hazel se chama Augustus Waters, um garoto bonito que certo dia aparece no Grupo de Apoio a Crianças com Câncer. Juntos, os dois vão preencher o pequeno infinito das páginas em branco de suas vidas.









"A tristeza não nos muda, Hazel. Ela nos revela."
[Peter Van Houten - pág. 259]


Hazel Grace tem 16 anos, gosta de ler, de poesias, de América's Next Top Model e já foi para a Disney. Ah! Ela também tem câncer, mas detesta que as pessoas a olhem com pena e a definam por sua doença que, infelizmente, todo mundo consegue ver: ela tem que carregar um cilindro de oxigênio para onde quer quer vá, pois o remédio que a mantém viva - experimental - enfraquece seus pulmões.

É Hazel que nos conta a sua história, mas não é a história sobre o câncer, ele também está lá já que, a contragosto, faz parte dela. Não, essa história é de como ela conheceu Augustos Waters e de como essa vida é mesmo incrível e, às vezes, uma verdadeira piada de mau gosto. Numa bela noite em que foi - forçada por sua mãe - ao Grupo de Apoio a Crianças com Câncer, ele está lá. Após algumas reflexões irônicas sobre a morte os dois começam uma amizade que vai se desenvolvendo, apesar das sentenças  pairando em suas cabeças.

A Culpa é das Estrelas é quase unânimidade por aí e eu também gostei! Hazel já passou por tantas coisas por conta da doença que ela em si - e a morte - se tornaram uma grande piada do Universo à que ela tenta sobreviver, sem machucar tanto seus pais no processo, querendo que eles tenham a própria vida e parem de viver só por ela. Apesar de ser um livro que aborda essa doença terrível - e sim você vai chorar! - o tom quase sempre irônico dos personagens - sem contar o senso de humor mórbido - deixa a leitura prazerosa sem ser piegas ou incrivelmente triste.

Os personagens são profundos, mas ao mesmo tempo imaturos como qualquer adolescente de 16 anos. Os pais de Hazel são incríveis, fazendo o papel normal de pais nessa situação, mas também ajudando a filha em suas questões emocionais e filosóficas. Augustus em particular consegue ser engraçado o tempo todo apesar e por conta dos pesares. É extremamente inteligente deixando muito ponto de interrogação na nossa cabeça! Algumas vezes, inclusive, tinha de reler o que ele falava para entender direito!

Eu gostei do livro e recomendo, mas aviso uma coisa: provavelmente o final vai te decepcionar e te deixar com uma cara de "ué, jura que é isso?", mesmo assim vale a pena conhecer estes personagens e adquirir uma nova visão sobre o câncer e sobre parte do que passam seus pacientes.

Trechos

"Se você quer que eu aja como uma adolescente, não me mande para o Grupo de Apoio. Compre uma carteira de identidade falsa para mim e aí eu vou sair à noite, beber vodca e tomar baseado."
[Hazel - pág 14]

"O diagnóstico veio três meses depois da minha primeira menstruação. Tipo: Parabéns! Você já é uma mulher! Agora morra."
[Hazel - pág. 29]

"Às vezes as pessoas não têm noção das promessas que estão fazendo no momento em que as fazem"
[Hazel - pág. 61]

"As pessoas falam da coragem dos pacientes de câncer, e eu não a nego. Por vários anos fui cutucada, cortada e envenenada e segui em frente. Mas não se enganem: naquele momento eu teria ficado muito, muito feliz de morrer."
[Hazel - pág. 101]

"Estou começando a achar que você tem um fetiche por amputados"
[Augustus Waters - pág. 188]

"Estou em guerra contra o quê? Meu câncer. E o que é o meu câncer? Meu câncer sou eu. Os tumores são feitos de mim tanto quanto meu cérebro e meu coração são feitos de mim. É uma Guerra Civil, Hazel Grace!"
[Augustus Waters - pág. 196]

"Você me deu uma eternidade dentro dos nossos dias numerados."
[Hazel Grace - pág. 235]

"A ambição voraz dos seres humanos nunca é saciada quando os sonhos são realizados, porque há sempre a sensação de que tudo poderia ter sido feito melhor e ser feito outra vez."
[Hazel - pág. 275]

Um comentário:

  1. Ah, amiga!
    Esse livro é lindinho demais, não é?
    Só de ler a sua resenha e me lembrar da Hazel já fiquei com os olhos cheios d'água.

    Bjs

    ResponderExcluir

Obrigada pela leitura! ♥

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Livros, Resenhas, Vídeos e outras Danis!